quarta-feira, 7 de outubro de 2009

SEGUNDA PELE


Ahahahh...a Nossa Pele !! Esse Maravilhoso e Mais visível órgão do nosso corpo. Sua riqueza ... sua complexidade só mesmo excedidas pelas células do nosso cérebro . "Nossa Pele" ... nossa comunicação com o... Mundo ! Aprisiona, mas é através dela que recebemos as sensações maiores...

Inúmeros Decibéis de Prazer...

Calor e arrepios percorrendo meus pelos.....à medida que ele roçava seus olhos sobre mim.

Eu ia me despindo, vestindo-me apenas de palavras nuas... Elas eram a minha pele, e eu, o seu absinto.
E nesse roçar, no vai-e-vem das pálpebras dele, tudo foi se encaixando. Não sei quem penetrou quem,
mas estávamos dentro.
E eram molhados os caminhos..
.
pétalas abertas, jorrando néctar em sua língua, que lambia os beiços, faminto!
Salivava de desejo feito um cão farejando a carne mal-passada, vermelha, quase sangrando...

Misturávamos os ritmos entre nossos olhos e era um concerto eclético! Como se, ancestrais, nos reconhecêssemos no mesmo batuque ecoando dentro de nós

Eram decibéis de puro prazer escorrendo na pele .

E eu estava ali, disponível... entregue aos seus olhos... para que a chuva caísse, através de qualquer fresta de tempo, dos seus dias mornos, e pudéssemos nos encontrar

Não havia cobranças. Possuíamo-nos sem posse, como o mar lambe a areia, e ela sorri, permitindo, pois sabe de sua volta, entre uma maré e outra.

Existia um mar que juntava nossos continentes, era o mesmo mar correndo por dentro, fora de qualquer mapa. Não tínhamos limites: nem de cor nem de idade ou classe social.

As palavras que nos vestiam eram atemporais e despudoradas, eram nuas, livres, não se preocupavam com formas, mas com conteúdos.

A única forma que me importava era a dos olhos dele, que eram graúdos e famintos, duas luas a me torturar !! Neles eu caberia todinha ou quase toda...
Ia me despindo aos poucos, um strip-tease nas entrelinhas...

Meus morros iam surgindo redondinhos, picos adocicados, encharcando a palavra que bombeava meu sangue e avolumava o desejo que escapava pelo lado , pois não mais cabia ali.., precisava de espaço para se libertar...Pela lateral, ele encontraria minha rosa ... e tudo seria orvalho, mar desaguando nas idéias... neurônios em pêlo...

6 comentários:

Anarquista disse...

Erotismo não é mera sexualidade animal, é cerimônia, é representação, é sexualidade transfigurada em metáfora infinita.

Parabéns

Roberto disse...

Parabéns pelo sempre presente bom gosto e singeleza

A Magia da Noite disse...

perdemos-nos num mundo tão pequeno como a pele que nos oferece seus sentidos, despidos em suaves golos de prazer.

Regina d'Ávila disse...

Amigaaaaa...
Hoje você se superou...suplantou!
Conte-me..o que está acontecendo? Seria seu olhar brilhante...uma paixão? Uma Deusa apaixonada?
Que sonho...que prazer...que encanto!!!
Que deliciosa surpresa... que presente.
Tocou minha alma...meu corpo.
Alguns pedaços aqui..outros lá. Eu voando em pensamentos...
Ui...Nem sei dizer...
Beijos amiga...e agradeço a sua torcida..kkkkk
Te adoro...
Rê.

Deusa disse...

AMIGAAAAAAAA
TO ´PROCURANDO UM "MUSO"
HAHAHAAHAHAH

entremares disse...

Querida Deusa,

Comentário tardio, perdoa a demora...

Fica um pouco dificil falar da pele, quando a conseguiste descrever como se fosse, ela própria, uma segunda pessoa, aquela parte de nós que recebe e dá o prazer.

E quando os olhos pousaram finalmente sobre ela.... uma onda mansa se ergueu, a água e a areia revoltas numa nuvem sem forma, simplesmente espuma.

Beijo.
Rolando

( Sabes que deu para sentir aqui também uma onda enorme de "pensamento positivo", vindo daí ? Eu sei que estás torcendo... um outro beijo especial por tudo isso, também )