quinta-feira, 11 de novembro de 2010

BORBOLETAS

Achei esse texto, do Mario Quintana muito apropriado no que tange aos vários tipos de relacionamentos que nos rodeiam , as cobranças , os afetos , os laços enfim o dia a dia de cada um em relação ao outro.

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de
se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim
para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

5 comentários:

Anônimo disse...

Esse texto nos remete a uma realidade muitas vezes desconhecida por pessoas que nos rodeiam. Mario Quintana consegue vislumbrar as transformacoes do nosso cotidiano e com uma abordagem clara, como os relacionamentos se processam ou como deveriam.
Parabens por ter colocado esse Texto.
Andre

Deusa disse...

Querido André
Muito bom ter voce por aqui
Contente com a sua visita
Um beijoooo
Lilian

Druida de Orion disse...

Lindo texto, menina Lilian.Não irei filosofar...rsrs..Apenas direi que , palavras bonitas muitas vezes não falam do amor verdadeiro...Bjussssssss..Viu

Graça disse...

Deusa,

Escolheste muito bem!
Mário Quintana é poeta ímpar...e esse texto Borboletas comprova muito esse fato, como tantos outros que o poeta escreveu.
"Para ser feliz com outra pessoa, precisa primeiramente não precisar dela"!
Isso é lindo!

Beijos, minha amiga!
Abraços e laços,
saudade.

Druida de Orion disse...

Eu, visto pelo outro, nem sempre sou eu mesmo. Ou porque sou projetado melhor do que sou, ou porque projetado pior. Não quero nenhum dos dois. Eu sei quem eu sou. Os outros me imaginam. Inevitável destino de ser humano, de estabelecer vínculos, cruzar olhares, estender as mãos, encurtar distâncias. Eu corro atrás da Borboleta e sou feliz por isso, no jardim, nem sempre existe o nécta para a borboleta voltar.